quinta-feira, fevereiro 23, 2017

Amigo Zeca, trinta anos já?



"Gravado em Roma, disco de solidariedade para com o jornal República e a reforma agrária, editado em 1975, com interpretações de José Afonso e de Francisco Fanhais, numa iniciativa conjunta do Manifesto e das organizações Lotta Continua e Vanguardia Operaria, nunca foi distribuído em Portugal."






quarta-feira, fevereiro 22, 2017

Pela estrada fora...

Há histórias do caraças. Há coincidências do caraças. Hoje a almoçar com o Sérgio Godinho, o Pedro e eu, ficámos a saber que foi o nosso estimado (e finado) Manuel António Pina quem lhe emprestou o «On the road» do Kerouac, quando ambos eram estudantes do liceu no Porto. Para o Sérgio este foi um dos livros mais marcantes dessa época vital e duma itinerância que nunca mais abandonou.
O que emprestou ficou, várias vezes disse sem complexos não gostar muito de viajar, dum certo incómodo que lhe causava. O que levou emprestado disse para si mesmo "tenho de me pôr à estrada". Pina e Godinho. Há coincidências do caralho... para não falar que o Zeca foi judoca e o Sérgio ainda bateu com os costados no tatame sem saber que o amigo da adolescência Pina andou pelo Viet Vo Dao.

Un poeta es, ante todo, una persona apasionadamente enamorada del lenguaje. (W. H. Auden)

Presentación de Sérgio Godinho en el Aula de Poesía Díez-Canedo (21/02/2017) - Luis Leal

Me arriesgo a decir que ningún poeta portugués posterior a la generación de Orpheu, directa o indirectamente, escapa a la influencia del genio de Fernando Pessoa. Lo mismo pasa con cualquier hijo auténtico de la libertad del 25 de abril, del sueño en forma de clavel, que tampoco puede omitir dos nombres en su “intertexto” vivencial. El primero, del cual dentro de dos días se cumplirán 30 años de su muerte, es el gran y añorado José Afonso. Sin embargo, el segundo afortunadamente sigue activo, creando en plenitud, y se me ha permitido tener el privilegio de estar hoy aquí sentado su lado.

Este hombre, del cual espero decir con aún más orgullo, que este día 21 de febrero del 2017, en esta “Aula Díez-Canedo de Badajoz”, tuve el honor de haber presentado al futuro nuevo “Prémio Camões”.

No es que esto a Sérgio Godinho le importe, es pura divagación mía, pero también un sentir colectivo que desea ver su obra, con más de cuarenta años, reconocida con el más importante galardón de la lengua portuguesa.

Este deseo compartido aquí públicamente con vosotros, es como el “rayo X” de un recorrido biográfico riquísimo. Entre nosotros tenemos a un poeta, un cantante (o «cantautor», ese término español hace mucho exportado al idioma luso), un compositor, un guionista, un actor, un ilustrador, un ser humano polifacético y comprometido con el arte, ese arte en el cual creo y me identifico y cuyo orden no tiene que estar precedido por numerales ordinales.

Para una persona como yo, creyente en que, como en la vida, no hay una única opinión en arte, y que es selectivo con su tiempo vital, Sérgio Godinho es un poeta, un narrador de vidas que me llevó a conocer, entre muchas otras cosas, la dignidad de muchos niños a los que, entre fuegos de artificio, se les amputaba la infancia. Me hizo además discípulo de viejos samuráis, me puso a caminar con Rimbaud en desiertos de amor y me acercó, con su mano incapaz de levantarse en actitud beligerante, a la historia verdadera de la guerra que fue la de mi padre y la de toda una generación, llena de defectos de fábrica, pero que me educó lo mejor que pudo.

Cuando nací, ya la carrera de Sérgio no se podía acotar ni en redundantes cantos de intervención, ni en poesía, cine o narrativa. Es imposible acotar un artista comprometido con el arte, alguien como Sérgio Godinho.  Independiente y solidario, Sérgio acompañó la generación que soñaba con la libertad, que escuchaba más allá de la frontera los ecos del mayo del 68, acompañó las voces ilusionadas con la democracia, el “boom” de una Europa de ilusa prosperidad y los últimos años de precariedad y de Alzheimer en lo que concierne a derechos humanos y dignidad.

Las consignas de hoy son más bien muros y vallas. Sin embargo, Sérgio me enseñó de niño a saber abrazar. Recuerdo la suma de brazos de la “canción de los abrazos” del disco y serie infantil “Los amigos de Gaspar”. Hoy enseño yo a mis hijos que “es tan bueno tener una amistad, hace muy bien saber con quién contar” y espero que un día entiendan con un “brillito en los ojos” los versos: “Hoy hice un amigo y cosa más preciosa en el mundo no hay”.

Pero si hay algo que me fascina en este hombre es la generosidad de su obra. Una generosidad hecha afecto, capaz de unir su canto a nombres como José Mário Branco, Fausto Bordalo Dias o a otro pájaro cuya lírica llevo dentro, Jorge Palma.

Esa generosidad, evidente por su parte en hacer caso a un tío como yo, importunándole para traerlo a Badajoz mientras le otorgaban un premio de carrera, lo lleva a colaborar con las nuevas generaciones de artistas como Helder Gonçalves, David Fonseca, Filipe Raposo, Nuno Rafael, Manuela Azevedo o Nuno Markl.

Otro ejemplo de lo que os comento es, al igual que la buena tradición de la música popular brasileña, Sérgio reconoce el mérito de la obra de los demás y la influencia que tuvieron en su propia obra. Os remito para el aprecio evidente en el disco “Estimadas Canciones” en que nuestro “escritor de canciones” canta a los suyos, a Caetano Veloso, a Violeta Parra, a Chico Buarque, a Zeca Afonso, pero también al rey Elvis, al “rey lagarto” Jim Morrison, a Jacques Brel, a The Kinks o a los cuatro fantásticos de Liverpool.
Pero, amigos míos, el colmo de su generosidad, está en el “elixir de la eterna juventud” que tiene y no le importa compartir con los demás. ¡Su panacea es gratis y está disponible desde hace más de cuarenta años!

Hoy es martes. Para muchos es el primer día del resto de sus vidas, pero para mí es un domingo cualquiera en el mundo en cual el canto de un gran poeta desorganiza la escasa biblioteca de un Luis adolescente. Una desorganización tan grande que le descubre que la vida está hecha de pequeñas nadas, que así es la vida. ¿Qué hay entonces qué hacer?  Vivir.


Muchas gracias Sérgio. Muchas gracias a todos los presentes.








Se... (Alexandre O'Neill)



Foi assim que alguém deixou de beber uisque... "tac", não foi, Luís?


Se... 

Se é possível conservar a juventude
Respirando abraçado a um marco do correio;
Se a dentadura postiça se voltou contra a pobre senhora e a mordeu
Deixando-a em estado grave;
Se ao descer do avião a Duquesa do Quente
Pôs marfim a sorrir;
Se Baú-Cheio tem acções nas minas de esterco;
Se na América um jovem de cem anos
Veio de longe ver o Presidente
A cavalo na mãe;
Se um bode recebe o próprio peso em aspirina
E a oferece aos hospitais do seu país;
Se o engenheiro sempre não era engenheiro
E a rapariga ficou com uma engenhoca nos braços;
Se reentrante, protuberante, perturbante,
Lola domina ainda os portugueses;
Se o Jorge (o "ponto" do Jorge!) tentou beber naquela noite
O presunto de Chaves por uma palhinha
E o Eduardo não lhe ficou atrás
Ao sair com a lagosta pela trela;
Se "ninguém me ama porque tenho mau hálito
E reviro os olhos como uma parva";
Se Mimi Tavessuras já não vem a Lisboa
Cantar com o Alberto...

...Acaso o nosso destino, tac, vai mudar?


Alexandre O'Neill


Do seu livro No Reino da Dinamarca (1958)


"A princípio é simples, anda-se sozinho..."



Obrigado, Sérgio, pela música, porque fazes parte da banda sonora das nossas vidas!





Um primeiro dia

Serão com o Pedro, a Elsa, o Juanra, o Quique, o Paulete, o Manel (o homem que carregou no meu interruptor para ser professor, e não só...), a Helena e o Sérgio Godinho. Parece mentira que passei este momento com quem tanto me abriu as portas da literatura e da vida quando era adolescente... O Sérgio e o Manel...
Continuo igual ao miúdo do bairro. Mas com o privilégio da ousadia de querer saber porquê há gente que se atreve a criar, a sonhar e dar sonhos a outros. O Sérgio Godinho ensinou-me, com canções, a ir por aí como posso. Hoje pude. Estou grato. Somose e estivemos entre amigos e coisa mais preciosa no mundo não há...

domingo, fevereiro 19, 2017

"Foi-se embora para Lisboa", o Mestre Joaquim Soares...

É com profunda tristeza que me chega de Évora a notícia do adeus ao Mestre Joaquim Soares. Tenho a voz embargada, como fiquei as poucas vezes que com ele cantei, pela beleza do “cante”, a fidelidade à terra e o reconhecimento ao homem. 

No “Cancioneiro Popular Alentejano”, na moda “Vou-me embora p’ra Lisboa”, os últimos dois versos são “Chora por mim, que eu choro por ti / Já deixei o Alentejo”. Foi um privilégio tê-lo conhecido. Jamais esquecerei o seu canto e sei que, apesar de hoje se chorar uma travessia do Tejo definitiva, a sua memória continuará a celebrar o património da nossa terra, do nosso Alentejo.

Mestre Joaquim, por onde quer que andemos, o nosso cantar fará sempre pontes…

sábado, fevereiro 18, 2017

Évora: Obra discográfica de José Afonso (1953-1985)

Blogue A Cinco Tons



"Exposição sobre a discografia de José Afonso é hoje inaugurada em Évora" (3 de fevereiro de 2017)


Insisto não ser tristeza
Soluçar sobre uma mesa

E mais não ser deste mundo
Meter navios no fundo

Num caminho de esqueletos
Sempre se plantam gravetos

E se a velhice for tua
Senta-a no meio da rua

José Afonso








Estou convencido da liberdade se encontrar...

Estou convencido da liberdade se encontrar com mais facilidade através da junção de letras do que das operações de números. Para a última a abstração de pensamento necessita alguma liberdade já adquirida pela palavra...

Boomers, Geração X, Millenials...

Conflitos geracionais, quando é que história não os teve? Principalmente a do mundo ocidental, mais propensa a negar o passado do que a assumí-lo. O oriente sempre me pareceu mais dado à síntese geracional do que nós, os de matriz europeia. Atualmente, nem sei o que pensar... vou pensando.
Li num artigo de um jornal inglês que há um conflito geracional assumido entre os «Boomers», nascidos dos destroços da segunda guerra mundial, e os «Millenials», a rapaziada nascida na viragem do milénio. Os primeiros herdaram a esperança cheia de traumas de totalitarismos dos papás, foram bebés em forma de «boom», instauraram o sistema consumista como base dum capitalismo ainda controlado pela necessidade de não cometer os erros que levaram à grande depressão. 
Os segundos, netos ou filhos tardíos dos primeiros, nasceram assistidos na segurança material dos progenitores, crentes em direitos adquiridos, casa acessível apenas na casa hipotecada dos pais, e mercado de trabalho mais flexível do que um contorcionista a trabalhar num circo cujos palhaços assumem-se políticos ao serviço duma cambada de ursos, proprietários da tenda que, vistas bem as coisas, era de todos até ter sido privatizada.
Sem costumes gregários, unicamente nos fóruns e grupos da net, os «Millenials» são os mais formados de sempre, os que tiveram o acesso à informação mais rápida de sempre, os mais inteligentes de sempre, mas pouco habituados a intervirem no mundo não virtual. Esse facto é-lhes atirado à cara pelos «Boomers» que pouco ou nada fizeram para educar o novo milénio com o exemplo, a solidariedade, a empatia. Preferiu-se a competitividade. 
No meio desta geração está, segundo este artigo, a Geração X, e, pelas características e datas imprecisas, deve ser onde o meu nascimento se insere.
Lembro-me em adolescente nos chamarem, em Portugal, «Geração Rasca». Esta memória vem aliada à de um cu ao léu numa manifestação estudantil. Associo a isso o rasca. Um cu contra o poder é um acto de coragem como se veem poucos, todos sabemos como os poderes vigentes costumam tratar o traseiro da gente... Eu nunca me atrevi e acho que não teria valor para tanto.
O «X» marcou-nos a neutralidade nesta luta entre passado e presente, um empate como no totobola. No meio está a virtude, apesar da malta não se ver como grandes virtuosos. Temos uma perspectiva do passado e do presente sem grandes saudosismos e sem soluções técnicas estilo panaceia com ligação Wi-Fi abertas para toda a gente. Vivemos alguma estabilidade climática, poluímos ingenuamente, e agora vemos que isto está tudo ligado e não é só pela Internet que podemos presumir ter democratizado ao «Boomer», com a sua conta conservadora do Facebook, e ao Instagram egocêntrico do «Millenial». Temos pouca, mas alguma virtude, de estarmos no meio de extremismos. Mas é lógico que digam que nem somos carne nem peixe. Têm razão. Gostamos da comida da avó, adoramos o vintage, levamos os nossos filhos à fast food com um brinde à mistura e adoramos gadgets e aplicações que nos facilitem a vida.
No entanto, ao ler neste jornal a equação que me põe numa geração «X», não pude ficar indiferente à minha juventude de OTL num Centro de Dia do bairro. À infância envelhecida no pátio dos meus avós. À geriatria que deixou de ser sinónimo de sabedoria para estas gerações. Foram eles que me falaram da Primeira Guerra Mundial, do Estado Novo, da Guerra Civil espanhola, do Hitler, da bomba atómica... É claro que um rasca como eu prefere dar-se com estas más companhias e acompanhá-las a casa onde sempre partilhavam a escassez do seu lar. 
Para este jornal inglês, apesar da sua monarquia representar um pouco este passado, esta geração já nem geriátrica é. Se não morreram estão a morrer. A sua memória é inconveniente. 
Agora é o preto ou o branco. O cinzento não é pertinente. É mais do que velho... é anacrónico.
Onde está esse velho poeta inglês, que se fez comando na guerra, para lutar contra o fascismo? 
Morreu novo. Não tem geração. Nascem espontaneamente como as belas flores dos campos de esperança...

Se secó el arroyito (Compay Segundo)






sexta-feira, fevereiro 17, 2017

Onésimo

«(...) Aprendi a rever criticamente ideias que se instilam em nós como óbvias quando nos circunscrevemos a um único universo cultural. Quando nos confrontamos diariamente com outra cultura apercebemo-nos dos nossos pressupostos. Sobretudo aprendi a pensar muito com os pés no chão e reconhecer a diferença entre o que as coisas são e o que gostaríamos que elas fossem.» Onésimo Teotónio de Almeida (in revista "Visão")

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Dias de profissão sem grande sentido

No outro dia falava com um grupo de alunos, com uma educação e sensibilidade fora do comum, sobre como o «ser amável» me parece estar em vias de estinção.
A sociologia analisa que a origem social determina a educação, o acesso à mesma, e que em classes sociais tendencialmente médias ou altas isso se nota. Nota-se no rendimento académico, mais alto, mais competitivo, mais hiperestimulado por pais com visões do mundo mais tecnocratas ou economicistas. Têm as suas razões para pensarem assim e é totalmente legítima  a sua postura perante a educação dos seus filhos. Falam línguas, dominam o cálculo matemático, já leram bastantes clássicos, muitos já viajaram a mais sítios que muitos viajantes, e são aquilo que alguns docentes veem como alunos ideais.
«De pequenino se torce o pepino», ouvi desde sempre na minha língua materna. Se lhe inserimos todas essas coisas boas, esses arsenais de conhecimento, esse hiperestimulo, o futuro está garantido. Será?
A hipertrofia muscular, e cerebral, cresce dura e sobre tecido dilatado e, se a biologia não me falha, ferido em pequenas microroturas. Por vezes sinto que estou rodeado de gente já formada, que a minha presença ali podia ser prefeitamente substituída por um youtuber, que a minha profissão é dispensável pela técnica dominante sobre o espírito.
No entanto, sei que hão de ser sempre necessários profissionais do ensino, professores normais e correntes, desses que fazem o seu trabalho como outro qualquer, com dignidade, sem aquela muleta constante da vocação ou que se vive para a escola. Faço muitas horas extra, como o meu pai fez num trabalho mais mecânico, como milhares de horas extra de outros trabalhos pagos ou pagos com a exploração do trabalhador. Faço-o por brio e nada mais. Mas sei que faço falta. Que tenho de passar os portões da escola e pôr a máscara. Tenho de ensinar mais do que a minha disciplina, mais do que a minha formação académica. Tenho de ensinar a uma cada vez maioria de jovens que esta profissão, que por esse mundo moderno já poucos querem exercer, mantém um pilar que pode evitar um apocalipse. O pilar da amabilidade, do ensinar a dizer se faz favor e obrigado, seja em que língua for.
Obrigado pelo vosso tempo, pela vossa leitura. Continuo a acreditar no poder da amabilidade, da gratidão, mesmo hoje num dia complicado em que duvido que estejamos no bom caminho.

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Sérgio Godinho na "Aula de Poesía Díez-Canedo" de Badajoz (Informação Oficial)

Sérgio Godinho, compositor, intérprete, ator, dramaturgo e escritor, com mais de quarenta anos de carreira e um referente do panorama cultural português, estará no próximo dia 21 de fevereiro, na cidade de Badajoz, para apresentar a sua obra poética na “Aula de Poesía Díez-Canedo”, reconhecida instituição na divulgação e promoção da atividade poética a nível peninsular.

A iniciativa, organizada pela “Asociación de Escritores de Extremadura” (AEEX), apoiada pelo “Gabinete de Iniciativas Transfronterizas” e pela “Diputación de Badajoz”, será a primeira duma digressão literária que levará Sérgio Godinho às cidades de Plasencia e de Cáceres.

O autor fará a leitura pública, às 20:00, na sala de atos do Museu de Arte Contemporânea de Badajoz (MEIAC), tal como se distribuirá o “Caderno de Poesia”, nº 150, com uma antologia bilingue da obra poética de Sérgio Godinho.

O evento, aberto ao público, contará com a presença dos diretores da “Aula de Poesía Díez-Canedo”, José Manuel Sánchez Paulete e Enrique García Fuentes, o escritor e presidente da AEEX, Juan Ramón Santos e será apresentado pelo professor e tradutor Luis Leal.