quarta-feira, janeiro 30, 2008

El Capitán América renace


El nuevo Capitán América, el legendario personaje muerto y resucitado por la editorial Marvel Comics, ha llegado hoy a los quioscos de Estados Unidos, dispuesto a recuperar a todos los seguidores del centinela de la libertad.

Steve Rogers, el guerrero enmascarado que en plena Segunda Guerra Mundial luchó contra los nazis, el crimen organizado y la corrupción, ha vuelto con una historia de suspense y acción a las librerías de Estados Unidos. Y lo hace menos de un año después de caer abatido al recibir varios disparos en la última entrega de sus aventuras.

El Capitán América está considerado como uno de los superhéroes más célebres. Creado en 1941 por los artistas Joe Simon y Jack Kirby, se ha convertido con los años en un símbolo de la integridad moral y de la defensa de los derechos civiles para generaciones de lectores.

Acribillado por un francotirador

En marzo pasado Rogers cayó acribillado por un francotirador frente a un tribunal de Nueva York, en una escena dramática en la que se ve fluir sangre de su uniforme estampado con los colores de la bandera de Estados Unidos. El episodio que conmocionó a sus seguidores.

En esa última aparición del Capitán América, la ley antiterrorista promulgada por el Gobierno -que establecía que los superhéroes tenían que entrenarse de igual manera que militares y policías- suscitó una crispación política entre estos, que derivó en la formación de dos facciones. En la oposición, estaba el Capitán América, y en la otra, la pro gubernamental, el Hombre de Hierro.

El Capitán América, que consideraba la legislación una erosión de las libertades civiles, decidió emprender una lucha judicial contra ella, pero lo que consiguió fue la muerte, presuntamente a manos de una agente de inteligencia enamorada de él.

Ahora las nuevas aventuras de Steve Rogers, que era un soldado, vienen firmadas de la mano del equipo de escritores de Ed Brubaker y del artista Steve Epting, a quien se les ha unido otro grande del cómic, Alex Ross, considerado una leyenda de la industria.

Nuevo traje y con pistola

Ross, renombrado por sus pinturas hiperrealistas, ha sido el diseñador de la nueva y polémica imagen del superhéroe, pues además de su legendario traje que combina los colores de la bandera de EEUU, con sus barras y estrellas, y su inseparable escudo, lleva una pistola, para adaptarse a los nuevos tiempos.

En sus 66 años de aventuras, el patriótico enmascarado apenas hizo uso de las armas de fuego, y su mejor defensa eran sus puños y su escudo, elaborado con una aleación casi irrompible de vibranium y adamantium, dos metales imaginarios.

La crítica aprueba el regreso

Esta reaparición ha sido considerada ya por los expertos como "una obra maestra increíble". "Es un número que capitaliza todo lo que Ed Brubaker ha hecho en los últimos años", dijo en un comunicado de prensa Augie De Blieck, de ComicBookResources.Com.

La historia que cuenta es "intensa, está bien escrita y es muy artística. El personaje tiene momentos soberbios, y así la idea que el Capitán América representa, y su gran calidad, tiene continuidad", agregó otro experto, Kevin Power, de ComicsBulletin.Com.

Con la resurrección del enmascarado que combatió la corrupción política en la era del presidente Richard Nixon y el Watergate, Marvel Comics ha sido fiel una vez más a su filosofía de no matar nunca a un superhéroe.

El personaje había ido perdiendo popularidad frente a otros colegas justicieros como Supermán, Spiderman, Batman o Los Cuatro Fantásticos, todos ellos con película y varias secuelas.

El Capitán América ha aparecido en unos 210 millones de revistas en 75 países, pero sus ventas en EEUU cayeron de 150.000 ejemplares en su época de apogeo a 80.000 en la actualidad y ahora se venden en cuadernillos de 2,99 dólares.

In "El País", hoy, edición digital

Um café numa tarde solarenga...


"É uma bica, ó faz favor!", esta exclamação, tipicamente portuguesa, remete-nos para o carácter social que o café, tipo expresso, tem nas vidas dos habitantes deste país peculiar. Pessoalmente, não sou um grande adicto da cafeína, inclusivamente passo muito tempo sem beber um café, apenas recorro a este estimulante para fazer a digestão (algo que creio ser um pouco efeito placebo!) ou para ir “plantar um pinheiro” (como me ensinaram aqui na Extremadura)... Depois daquelas faustosas barrigadas de comida tradicional...
No entanto, não consigo imaginar as esplanadas de Portugal sem o amigo de todas as horas (este talvez o verdadeiro “fiel amigo” e não aquele peixe dos mares do norte), chamemos-lhe o que quisermos bica, café, expresso, cimbalino, o que melhor defina esta pequena chávena de "cu" quente sobre as "costas" de um "pseudo-útil" pires (que também pode ser utilizado para tremoços, no contexto da "mine"!)...
Ah, já me esquecia da pequenita e olvidada colher, também ela prazenteira, principalmente quando alguns pais deixam os filhos lambê-la, introduzindo-os, assim, naquela cultura da cafeína que poderá, num futuro adulto, ser acompanhada de um pensativo cigarro (já dizia o Eça!), de um entediado jornal ou de um vago olhar pelo escaparate... Prefiro acompanhado de dois dedos de conversa...

The sky is the limit

quinta-feira, janeiro 24, 2008

Uma "cornada" de camaradagem...

Nunca fui um grande aficionado das lides tauromáquicas e, para dizer a verdade, sempre nutri mais simpatia pelo toiro que pelos restantes intervenientes desta tradição amada, ou odiada, por muitos. Eu defino-me como neutro, uma espécie de Suíça na 2ª Guerra Mundial, que pensa que o melhor é não opinar nem julgar demasiado quem está de um lado ou outro da “barricada”. No entanto, não fiquei indiferente a um vídeo que recebi por e-mail, para mim, mais que um exemplo de coragem, é um exemplo de camaradagem (que creio ser um conceito intimamente ligado com a honra), algo que defino como tipicamente masculino (não tomem isto como uma posição misógina), mas este tipo de atitude a minha experiência de vida tem-me proporcionado apenas casos no género masculino… enfim, chega de pura divagação, vejam e pode ser que entendam o que não consegui exprimir nestas linhas… video

terça-feira, janeiro 22, 2008

Humor à Alentejana (já que estamos nessa!)

-No Alentejo, um autocarro que transportava uma comitiva de políticos chocou com
uma árvore.
Pouco depois chegou um jornalista e perguntou a um alentejano que estava por ali com uma pá na mão:
-O Sr. viu o que se passou?
-Vi sim senhor. O autocarro com os políticos espetou-se no chaparro.
-E onde estão os políticos?
-Enterrei-os.
-Mas não estava nenhum vivo?
-Alguns diziam que sim, mas o Sr. sabe como são os políticos...

segunda-feira, janeiro 21, 2008

As velhas do Alentejo (este sim, meu, e escatologicamente bem humorado)

Este vídeo foi-me enviado pelo meu cunhado, naqueles lotes de e-mail curiosos que eu tanto prazer tenho em receber, e tive que publicá-lo nos nossos "senderos"! Ai meu grande Alentejo! Até na sua música popular podemos ver o humor dessas terras árias mas tremendamente férteis a nível humano. O grupo de Montoito qualquer dia tem de passar o seu clip no Top+! Divirtam-se! video

Hacia Rutas Salvajes

Estoy curioso con esta película basada en el bestseller de Jon Krakauer, este también basado en hechos reales. Narra las aventuras de Christopher McCandles, un joven de 24 años que tras graduarse en la Universidad Emory de Atlanta y donar a Oxfam los 24000 dólares que tenía para estudiar derecho, decidió renunciar a todas las comodidades de la vida moderna y emprender un viaje que lo llevaría al monte McKinley, en Alaska. Con Sean Penn por detrás de las cameras y del guión creo que merece le pena intentar ver esta adaptación literaria al cine, además tiene mucho que ver con el espirito de la gente que se anima a intentar nuevos senderos…

domingo, janeiro 20, 2008

A Janela e o Gato Preto (de azulejo) - Leiria

Ia eu no meu passeio, ao anoitecer, quando a minha máquina teima em fotografar a pensão "gato preto", perto da catedral da cidade do Lis. Há muito tempo que conheço aquelas ruas e que vou com alguma frequência a Leiria, mas os detalhes só se revelam quando os mesmos decidem reverar-se aos demais...
Interessante, também, ver, literalmente, gatos na calçada... pessoalmente gosto de deambular e ter o prazer de descobrir estas coisas que se escondem debaixo do meu nariz...

Felicidades Mortadelo y Filemón


Hoy, 20 de enero de 2008, se cumplen 50 años desde la publicación del primero de los números del que para algunos es el mejor comic español, Mortadelo y Filemón. Fue en el número 1934 de la revista Pulgarcito y con el nombe genérico de Mortadelo y Filemón, agencia de información (según la Wikipedia). Adultos, jóvenes y niños han disfrutado, y todavía siguen disfrutando, con las aventuras de los dos agentes de la TIA más intrépidos.
Sus lectores han conocido mil y una aventuras, han visto cientos de inventos del Profesor Bacterio pero, sobre todo, no podrán jamás olvidar que, por muchos años que pasen, este comic ha sido reflejo, en cierta forma, de los acontecimientos mundiales de los últimos 50 años, donde los dos agentes siempre tenían algún caso que resolver y con un humor a un ritmos alucinante. Hoy que pasan 50 años, les felicito. ¡Felicidades Mortadelo y Filemón!

Atonement

O cinema, a par da fotografia e da BD, talvez seja um dos meus “pequenos prazeres” a que eu creio que custaria muito em abdicar… nem gosto de pensar como seria ver-me privado destas artes que tanto bem-estar me proporcionam. Estas são divagações, claramente tontas, vêm numa linha de pensamento que deriva do filme que ontem pude ver numa tradicional sala de cinema (bem escura e com o som estaladiço das pipocas), tratava-se do filme inglês, tão em voga nos últimos tempos, “Atonement”.

Para além de se tratar de um argumento bastante interessante, com cenários históricos impressionantes (remeto-vos para a batalha de Dunquerque), fiquei abismado com a sua banda sonora, brilhante, que nos recorda que esta obra cinematográfica também é uma obra literária, com um bater de teclas de máquina de escrever marcando um ritmo narrativo a que o cinema comercial começa a esquecer… ainda por cima se os guionistas continuam em greve!

Um bom filme, uma boa história, uma excelente estrutura narrativa e uma banda sonora que ficará nos anais da sétima arte!

quinta-feira, janeiro 17, 2008

"Fighting Tommy Riley"

Num grande monte de dvds, daqueles montes dos "saldos" de grande superfície, encontrei um filme independente bastante fora do vulgar. O mundo do boxe, tido como um mundo de "machos", como lidaria com um tema como a homossexualidade de um bom pugilista?
E, envolto numa história que pensamos ser de superação pessoal, surge esse tema, bem explorado e tratado com bastante dignidade e respeito.
Foi o acaso que trouxe este filme até mim e, como aficionado que sou do mundo dos quadriláteros, creio que me deu uma lição sobre o que é um preconceito. Trata-se de um filme que, longe de ser uma obra-prima, é um “jab” de direita à mandíbula de qualquer um.

El Puente de Alcántara

En el último fin de semana del año pasado, tuve la oportunidad de volver al puente de Alcántara y sacar un par de fotos en un día de lluvia y niebla muy rara. Afortunadamente pude sacarlas sin grandes problemas, de dentro del coche (¡claro!), y cuando llegué a Rosmaninhal, el sitio dónde íbamos a quedar esa noche, descubrí una lamina antigua del mismo puente… pura casualidad, pero una buena casualidad… que disfrutéis algún día de la magnitud de esta obra de ingeniería romana, sin duda que os recomiendo…



O Fado da minha terra...


Há muito tempo que não tinha oportunidade de divagar por estes “senderos”, que não podia partilhar os passos que tenho dado por estes caminhos às vezes originais, interessantes, de conhecimento, mas também “minados” de bostas de vários tipos…
Enfim, hoje escrevo sobre um tema que já abordei faz tempo mas que me fez reflectir outra vez… já sabem como sou, sempre a divagar sobre parvoíces…
No dia em que soube que Edmund Hillary (o primeiro homem no topo do Chomulungma, ou também “ocidentalmente” chamado Everest) falecera e que empreendeu a derradeira expedição, tive a oportunidade de passar o serão, na companhia de uns bons amigos, numa casa de fados da cidade que me viu nascer. Até aqui tudo bem (excepto o idoso Hillary, coitado!), mas, a páginas tantas de uma noite de boa música, começou a irritar-me o ar solene que reveste este estilo chamado fado. O constante “xiuuu” porque se vai cantar o fado, durante mais de duas horas fez-me ver que aquele ambiente não tem muito a ver comigo, não se tratando de gostar, ou não, de fado, trata-se, sim, e tendo em conta o que senti, do carácter anti-social e elitista que alguns podem incutir a este estilo de música… pois, sinceramente, houve vezes em que pensei que não estava numa casa de fados e fiquei confundido se era um fadista ou um cura a pregar a sua homilia… ou algum "tio" a mostrar à família que também pode cantar esganiçando os bofes cá para fora!
Não opino que se deva estar a falar alto, a rir à gargalhada, ou aproveitar para atender o inoportuno telemóvel, mas também penso que ambientes assim são contagiosos pela sua solenidade e formalismo… Sinceramente dispenso.
Mas há sempre uma luz, uma simpatia que rompe com estes cânones que pouco têm que ver com a raiz popular de uma manifestação cultural riquíssima e essa foi, sem dúvida, Rita Ribeiro, que, com alegria e prazer, partilhou a sua voz com os demais, mostrando que o fado também é coloquial, de trato humano… apesar de ter estado num "big brother" dos famosos!
O fado, por si só, não é algo que transmita euforia, é baseado numa sobriedade que pode levar, em extremo, a uma coisa que abomino no ser humano e que denomino, perdoem-me a expressão, “atitude de cu fodido”… como tal, não me mandem calar, que eu sei respeitar que canta! Não me façam “xiuuu”, quando eu comento, ao ouvido de um amigo, “que bela voz tem este fadista”! Não me digam que tenho que fazer parte de uma pseudo-elite, uma vez que o fado é de todos que o amam (e isso não inclui só portugueses), e não me digam que o fado é triste só porque existe… A esses tenho de replicar: “agarre no seu xaile, na sua atitude de marialva e pode enfiá-los pelo orifício que tem ao fundo das costas!”

Mais de João Murillo


Não sou a melhor pessoa para falar de artes plásticas, não tenho formação suficiente para poder, sequer, opinar sobre a qualidade dos artistas e o impacto das suas obras. Todavia, creio que há um panorama de pouca criatividade, de um cinzentismo que abunda em espólios e marca um tom com o qual não me identifico. Isso pude verificar na obra do leiriense João Murillo, na sua exposição patente na sua cidade. Mas há um detalhe que me agradou bastante. Um detalhe regional, de índole proletária, que é a grande influência das artes de moldar o vidro, de trabalhar o cristal que é apanágio dessa tão agradável e laboriosa localidade (à qual associo também o gosto pelas duas rodas e os pedais das antigas pasteleiras...) da Marinha Grande.
Só por isso vale a pena perder uns minutos diante dos seus trabalhos...

Biodiversidade Marinha - Vila do Conde

quarta-feira, janeiro 02, 2008

DE PÉ OU SENTADO? - em resposta ao desafio do Luís

O alguém ao lado de quem gostaria de urinar não existe. Porquê? Simplesmente porque não.

Respondo ao repto com um facto que talvez seja do desconhecimento de muitos. Em diversos países da África ocidental homens e mulhares urinam ao contrário. O facto não é generalizado, isto é, a maioria das pessoas fá-lo como no resto do mundo, mas outros, por razões de ordem prática ou cultural, fazem-no de forma diferente. Dois exemplos concretos, a que já assisti por diversas vezes.

Na Mauritania, por exemplo, os homens vêem-se orbigados a urinar de cócoras. O facto pareceu-me bizarro, mas após umas horas nos transportes públicos do deserto, percebi porquê, e acabei por fazer o mesmo. Não havendo arbustos ou rochas para nos cobrirem, as pernas fazem-no. Agachados "escondemo-nos" melhor dos olhares de outros. Não que alguém esteja de olhos postos nos homens quando eles urinam, mas numa sociedade conversadora como a mauritana, actos privados fazem-se da forma mais recatada possível. Por curiosidade, as mulheres usam os longos lenços para se cobrir, geralmente com a ajuda das filhas ou de outras mulheres.

Na Guiné-Bissau, mulheres de certas etnias urinam de pé. Não é muito comum observar esta situação, mas já me aconteceu. A razão, imagino - porque nunca me atrevi a perguntar - deve ser de ordem prática!