domingo, junho 30, 2013

Good Vibrations (Dedicated to my dear friend Maite)


"E Pluribus Unum" - De muitos, um.

Três "finais", três derrotas. Um ano desportivo para esquecer.
Poderia ter nas mãos o escudo do Chelsea Football Club, do F. C. do Porto ou do Vitória de Guimarães, todos eles justos vencedores e equipas admiráveis!
Mas não, nem em criança consegui abandonar o clube do meu coração (bem tentei fugir ao destino!). Ainda fui do Sporting e do Boavista, sendo sempre dos “mis hermanos” do Real e do Atlético de Madrid (e em Inglaterra do Man. United!), mas este clube da 2ª circular é da cor do meu sangue... e não sou capaz de deixá-lo...
É curioso termos mais carinho a um clube que a uma entidade nacional. Entendo bem os que dizem que o "Porto é uma nação", pois orgulha-me mais ser do "fatalista" Sport Lisboa e Benfica que ter BI português...
Incongruências? Verdade. Comparações descabidas? Verdade. Tribos desportivas? Verdade. Possíveis manipulações que nada têm a ver com 22 gajos e uma bola de futebol? Verdade. 
Mentira no que sinto? Falso. 

Um agradecimento especial aos meus amigos que me ofereceram este lindo escudo feito na “capital del corcho español”: San Vicente de Alcántara. Vale mais que a copa da "Champions League"! Aquele abraço amigos. 

“Ser Benfiquista é ter na alma a chama imensa…”

"About migratory species" - Bruce Chatwin


“As a general rule of biology, migratory species are less 'aggressive' than sedentary ones.
There is one obvious reason why this should be so. The migration itself, like the pilgrimage, is the hard journey: a 'leveller' on which the 'fit' survive and stragglers fall by the wayside.
The journey thus pre-empts the need for hierarchies and shows of dominance. The 'dictators' of the animal kingdom are those who live in an ambience of plenty. The anarchists, as always, are the 'gentlemen of the road'.” 

Materialmente sentado












Materialmente sentado,
Confortavelmente alienado…
Sou o mais observado
De todos os derrotados.

Desejado?... Não, monetariamente amado!
Vegeto acompanhado por uma tontinha loirinha,
Lado a lado (no lugar do morto)
Do meu Mercedes alado.

Sou o poeta da Volvo
Sou vate do escape
Motor em movimento
De um soneto sem rendimento…
O desastre acariciado…
Por uma sociedade air-bag.

Ai, este é o tunning da vida!
O manómetro do pensamento,
O cabedal do assento
De uma aerodinâmica sanita...


Escrito, algures, em 1997,... sem carta de condução e, seguramente, desejando estar sentado num Porsche com uma coelhinha da Playboy... Esta foi a minha forma de exorcizar alguma frustração. Hoje "revisitei-o".

sábado, junho 29, 2013

Seven years in Tibet - Heinrich Harrer


Probablemente el primer libro de literatura de viajes que leí en mi vida (por lo menos que me haya dado cuenta). 
Un sueño de adolescente que me despertó interés por la historia de oriente y por sus innumerables filosofías. En los últimos días, he vuelto a redescubrirlo y no fue gracias al cine, ni a Brad Pitt. Fueran las circunstancias y los párrafos amenos de Paul Theroux.   

Buenas noches y buena suerte. 

sexta-feira, junho 28, 2013

¡Finalmente soy "Caballero Andante de la Universidad de Cañamaque"!

¡Finalmente soy "Caballero Andante de la Universidad de Cañamaque"! 
Gracias al Ilmo. Sr. Rector Cide Hamete Feynman.
¡Juro defender con la espada y con la lengua los principios de la termodinámica y el de Arquímedes!
¡Me siento muy honrado!

KAIROS (JAS)

Cualquiera nuestro pasado 
nos pertenece, como un verano.

Cualquier momento dichoso, lánguido
cruel o esperado
ha llegado así justo a su hora.
Cualquier rojo horizonte o azul
cualquier espalda invertebrada.

Cualquier siempre es ahora.
Siempre y nunca.

Tan ganado es lo perdido, tan infecto.
Tan distintas tantas veces
las veces.

Custa-me adormecer...

33. Esse é o número que marca o meu bilhete de identidade. Fi-los no dia 2 de maio e já conto com 33. 33 em 2013. Impar como 7. Sete anos que estive em Valencia de Alcántara. 7 anos impares, sem comparação em quase tudo o que fiz nestes 33 anos.

Heirich Harrer, começou o seu livro “Sete anos no Tibete” com: “Em fins de agosto de 1939 havíamos completado o nosso reconhecimento”. Podê-lo-ia parafrasear mudando apenas o ano, para 2006, e levar-me-ia a esse reconhecimento que fiz acompanhado do meu pai após ter aprovado nas “oposiciones” e saber que esse ia ser o meu destino laboral.

A Valencia cheguei solteiro e com o tornozelo direito como Deus o pôs no mundo. Sete anos depois deixo esta terra, esta escola secundária, casado, com um filho, e com um tornozelo operado, cicatrizado e a marca evidente que Valencia de Alcántara, as suas pessoas, o que lá aprendi, o que lá vivi, passará ficando para sempre.

Sinto que esta localidade, que em 2006 só conhecia do mapa, é também a minha terra, que o Loustau-Valverde é a minha escola, o que fizera antes foi um mero tirocínio, e que aqui ganho o reconhecimento profissional e humano que talvez nunca terei em outro sítio.

Hoje, agora, não sou capaz de dormir. Estou feliz. Vaziamente Feliz. Há que começar de novo. Outro sítio, novas pessoas, novos desafios. Como diz o Michel: "todas as mudanças são sempre para melhor"! Mais perto (e mais longe) de casa. Quero acreditar que mais perto...

Amanhã ficará a 100km (ou 200, depende de onde me “ubique”), a duas horas diárias, dez semanais, façam as contas para as mensais, esta linda terra que é vigiada, bem no alto, por Marvão. 

No meu íntimo fica a esperança que Valencia de Alcántara volte a ser a 3ª cidade da Extremadura, que o Loustau-Valverde seja esse grande instituto de grande património humano, que todos continuem a ser importantes e determinantes para esse património. Que a alegria no trabalho não falte e o abraço reconfortante abunde. 

Somos humanos, fracos como a carne que nos compõe, mas somos professores dignos dessa profissão. Tratemos e sejamos tratados com respeito. Exijamos isso, nem que seja no nosso íntimo, pois merecemo-lo. É isso que compõe e faz a essência do IES Loustau-Valverde…

quarta-feira, junho 26, 2013

Jorge Carnerero en el Día de Portugal

Nuestro genial amigo Jorge Carnerero participó en la celebración del Día de Portugal en Valencia de Alcántara. Entró sin aspavientos, con paso seguro de músico experto, desnudó su guitarra, acercó el micro y entonó dos grandes temas: "A sus espaldas", compuesta por él mismo y editada en el primer álbum de estudio del grupo "Tierra Kemá"; y "Grândola, Vila Morena", de José Afonso, esta última en homenaje a nuestro gran amigo Luis Leal. Aquí van.


video


video

Colección León Felipe (Ed. Finisterre)

Este libro tiene por detrás una historia preciosa de como la palabra tiene tanta o más fuerza que la espada.
Este libro, zamorano de origen, me lo regaló mi buen amigo Pedro L. Cuadrado la semana pasada.
Ya lo leí casi todo en los pocos ratos libres que tuve entre casa, trabajo y otras responsabilidades.
Su historia nos lleva al año 76, poco tiempo después de la muerte de Franco, y Pedro lo compró de una manera todavía "subversiva" en una librería de Salamanca. Todo gracias a su tío Avelíno, que le había recomendado el libro e inspiró confianza al librero en un tiempo de transición a algo tan desconocido como la democracia.
Esta historia ilustra el contenido sin duda molesto para los ideólogos de sistemas totalitarios y dictatoriales. Es un libro marcadamente de izquierdas, pero lo que más me gusta es su lado declamatorio, su lado de romero, de peregrino que solo pasa una vez y no vuelta. 
Para todos los amantes de la poesía y de la libertad.

Os dejo con: "Romero Solo"

Ser en la vida romero,
romero sólo que cruza siempre por caminos nuevos.
Ser en la vida romero,
sin más oficio, sin otro nombre y sin pueblo.
Ser en la vida romero, romero..., sólo romero.
Que no hagan callo las cosas ni en el alma ni en el cuerpo,
pasar por todo una vez, una vez sólo y ligero,
ligero, siempre ligero.

Que no se acostumbre el pie a pisar el mismo suelo,
ni el tablado de la farsa, ni la losa de los templos
para que nunca recemos
como el sacristán los rezos,
ni como el cómico viejo
digamos los versos.
La mano ociosa es quien tiene más fino el tacto en los dedos,
decía el príncipe Hamlet, viendo
cómo cavaba una fosa y cantaba al mismo tiempo
un sepulturero.
No sabiendo los oficios los haremos con respeto.
Para enterrar a los muertos
como debemos
cualquiera sirve, cualquiera... menos un sepulturero.
Un día todos sabemos
hacer justicia. Tan bien como el rey hebreo
la hizo Sancho el escudero
y el villano Pedro Crespo.

Que no hagan callo las cosas ni en el alma ni en el cuerpo.
Pasar por todo una vez, una vez sólo y ligero,
ligero, siempre ligero.

Sensibles a todo viento
y bajo todos los cielos,
poetas, nunca cantemos
la vida de un mismo pueblo
ni la flor de un solo huerto.
Que sean todos los pueblos
y todos los huertos nuestros.

terça-feira, junho 25, 2013

"Cuba, Mi Revolución" (Inverna Lokpez y Dean Haspiel)

Este cómic fue un regalo de mi amigo y compañero, Diego Trevejo (un “culé” de altísimo nivel con quien tanto me gusta hablar de fútbol y otros temas). Diego es un hombre de gran sabiduría, discreta y silenciosa, de quien siempre recordaré el “aula MOCO” (un “private joke” para “modificación de conducta”) que al final pegó y bautizó unas horas de guardia infernal…


Amigo Diego, te prometo, mientras esté en mis capacidades normales, que no dejaré que las ideas me conviertan en esclavo… ¡Tampoco dejaré de ser del Benfica y tú del Barça!

Muchas gracias por este cómic y por lo que significa. Un fuerte abrazo.



P.D. Ya he leído bastantes páginas y estoy enganchadísimo.

A Srª. da Saúde tinha um bairro

À Bernarda, por quem cheguei a ter bastante afecto.

A Srª. da Saúde tinha um bairro,
Onde nasci são mas com pés de barros.
Os primeiros passos de maio levavam-me, de mão dada com a minha mãe,
A um rosário de contas que não entendia (nem podia saldar com ninguém)
Que, para a minha azul retina, era rotina de velhas,
De negros vestidos entristecidos, que se abrigavam
Na capela de um fim de tarde demasiado alegre e primaveril.
De ao seu lado estar sentado, lembro-me pouco.

Recordo estar sentado ao redor de uma virgem de manto azul cerâmica,
No lado esquerdo do altar, eu, a um ignoto Deus, mas a uma mãe imaculada conhecida, pois era oriunda de Fátima, concelho de Ourém, distrito de Santarém, fabricada a partir de 1917.

Eu, indecentemente inocente, com um castiçal dourado, tipo taça, brilhante e de alva azulada, ali estava.
(Essa alva foi das minhas primeiras sensações de posse e de pertença. Alva infantil, alva única para a minha diminuta talha).
Ali estava,
Sentado, louvando sem saber,
Polegares e indicadores suados,
Com fé apertando contas às dezenas.

Por entre sinais da cruz,
Credos,
Contas grandes à conta do Pai-Nosso,
Já as contas pequenas, machistas, à conta da Ave-maria,
Glórias, essas, apenas de dez em dez,
E um final para um “God save the Queen”.

Ignoto ego fascinado com um Jesus de férias por um mês
(personagem filial secundária).
Ecce Homo,
Personagem secundária do mês de maio,
A quem minha mãe,
Todas as noites,
Me ensinava a rezar.
Esse Homem que,
De certeza, conhecia o meu anjo da guarda,
Essa companhia santa, que minha alma
Guardava alva
De noite e de dia.

A Srª. da Saúde tinha uma capelinha,
Um poço entre vinhas,
Onde a Bernarda Beata Alba engomava alvas e purificava com lixivia a higiene espiritual (e postural) de quem por ali vivia.
E num dia de maio, do calendário da personagem matriarcal principal
(da freguesia de Fátima, concelho de Ourém, distrito de Santarém)
A minha alva não saiu do armário,
Enclausurada ficou na sacristia.
A Beata Bernarda Alba, assim o queria.

A virgem (que tem um boneco de acção que muda de cor com a humidade relativa do ar) não intercedia.
Nesse dia, de maio, moço, de céu alvo azulado choveu no regaço da minha mãe.
Ao longe, o simpático Jesus, a quem eu rezava, não conseguia pôr nenhuma cunha para que pudesse voltar para o séquito infantil de alvas diminutas, por sujar, de sua mãe.

O armário da sacristia da Srª. da Saúde guarda para sempre a pureza do meu pretérito imperfeito.
A Bernarda Alba Beata trancou à chave angustias, madalenas, martírios, amélias e adelas…
Trancou à chave o catolicismo para as obras de um deus inventado para que acreditemos desde crianças.

A crença de alva, acólita,
Disfarçada pelo lado gregário, obrigado e escuta,
Esteve no altar da minha adolescência.
(Quase sempre mentirosa, nunca pecaminosa,
Como eu mentia a mim mesmo e os outros a mim e aos outros).

A alva ficou fechada no armário da sacristia,
No regaço da minha mãe verdadeira,
E não impingida pelo mês em que nasci,
Chovia.
Desde esse dia,
Não há estações intermédias,
E Deus, pela mão de Bernarda Beata Alba,
Cortou as asas
Ao anjo que em mim havia.

 20/VI/2013
(Após uma conversa que me trouxe de volta ao bairro)

segunda-feira, junho 24, 2013

O Forte da Graça (Anos 90), Foto de Nuno Veiga


Juntos seguiremos derribando muchas murallas...

Ao José Manuel Corchero Cerrón...

Todos os super-heróis têm o seu companheiro de aventuras, na linguagem dos “comics” do género, o “sidekick”. O Capitão América tem o Bucky Barnes, o Batman tem o Robim, o Hulk tem-se a si próprio mais calmo na forma do Bruce Banner e tantíssimos mais poderíamos encontrar por esse universo fora.

O José Manuel é o meu “sidekick”, não somos super-heróis, somos mais o género dos dois velhos rezingões dos “Marretas”.
Para quem não o conhece, o José é, à primeira impressão, um erudito, um historiador, um linguista (é-o de verdade!), mas com uma vocação oculta que ainda o faz maior (e ele tem 1’90m!): é a pessoa que eu conheço com o melhor, e mais refinado, sentido de humor!

O José que se dedica de vida e alma à docência, ao estudo da arte e da história, poderia e deveria tentar a sua sorte no mundo da literatura de humor, pois tenho a certeza absoluta que triunfaria. Os Monty Phyton poderiam perfeitamente recrutá-lo quer para actor, quer para guionista! O John Cleese a seu lado é um menino do coro!

Outra coisa que poucos sabem é que eu tenho uma “lista negra” para as coisas más que o José Manuel me faz (ou fez) com frequência. Nessa lista constam coisas como meter-se comigo devido à minha nacionalidade (apesar de ele ser mais português que eu!), de meter-se comigo por não ser guloso, por telefonar-me e acordar-me de madrugada, por não apresentar-se a exames quando está mais que preparado, por faltar-me no meu casamento e uma lista infinita de “agrávios” como ele diz.

Apesar da lista ser longa, e de certeza que vou continuar a escrever mais coisas más nela, há algo que nunca poderei apontar: a ausência da sua amizade.

O José Manuel é, em si mesmo, algo que ele tanto gosta de estudar: Património. É Património Humano, justo, digno, simples e grandioso. Uma pirâmide, um Machu Pichu, uma muralha da China ou de Valencia de Alcántara que o tempo não pode derrubar por ser intangível.

Ainda não é património da UNESCO (sê-lo-á de certeza), mas é parte do meu património e isso está noutra coluna da lista (que não é negra!) e isso nunca se irá apagar!

P.S. O que é que eu te disse? Tarda mas sempre aparece. A nossa foto com a pizza de anchovas horríveis nas "Casiñas"! (A Elsa, tu, a Nines, o Javi, a Belén, a Mª América e o Alfonso em Setembro de 2006)

Dónde, Dónde. Dónde qué.

A los que nos gusta la palabra, el hecho de poder "grafar" nuestro pensamiento, nuestra visión o el simple absurdo que llevamos dentro, en lo que podamos es un hábito, quizás incluso mezclado de vicio.
Tengo un amigo, un buen amigo, que tutea con la grafía, pero todavía, por sus motivos personales (aquí no me meto, sin embargo estimulo) no saca sus cosas del cajón.
Hay siempre la preocupación con la crítica, la falta de capacidad para expresar lo que queremos, "words don´t como easy", pero una vez que cojamos la pluma ajena a lo que se opina convencional, somos la metamorfosis diaria que pocos son capaces de interpretar o, a lo mejor, no hay nada que interpretar.
Durante casi una década me dio vergüenza soltar mi lirismo cursi, era como si fuera adolescente otra vez. Hoy, gracias a gente que no me dejó llevarme demasiado en serio, he vuelto a escribir por "the sake of writing"... y cada vez me llevo menos en serio.
Pablo, buen Pablo, como el epistolar de Tarso, reconvierte tu tiempo y metamorfosea esos pronombres interrogativos sin signo y llévanos a un lirismo que tienes en proyecto. Esto es un repto para el futuro...
   

...

Pai e professor. Mentiras capitais.
Professor e pai ou camuflado o cansaço.
Mascarar o ego em forma de missão.
Abdicar dela? Pecado mortal?
p.24 , "Diário de Uma Profissão em Busca de Dignidade", Ed. S.João

domingo, junho 23, 2013

Aos meus verdadeiros mestres da língua portuguesa...

Ao longo de vários anos pude realizar várias actividades com os meus colegas de Valencia de Alcántara. Para mim não são simples colegas, são amigos e verdadeiros mestres que me ajudaram a crescer como profissional e ser humano. Com eles partilhei muitos momentos e espero poder partilhar, apesar de saber que o futuro nos reserva rotinas diferentes das dos últimos sete anos.
Ontem, fizemos uma actividade de amigos, de "lusofilia", na qual pudemos visitar a raia elvense e terminar com as boas sardinhas de S. João. Soube a uma actividade final, mas não o será...
A todos estes colegas presentes: ao Luis, à Mª Angeles, ao José Manuel, à Esther, à Maite, ao Joaquim, ao Pedro e à Angela (os últimos dois, como eu serei, fruto do passado do Loustau-Valverde), quero expressar o meu apreço, a minha estima e a minha amizade. Sei que não seria a mesma pessoa sem eles.
Também gostaria de "realçar" os que não puderam estar presentes, mas que sempre lá estão em espírito. À Elisa, à Martina, à Eva, ao Rufo, à Mercedes, à Maria, à Reme, ao Manolo (que tanto se esforça por nos acompanhar!) também gostaria de deixar um beijo e um abraço, tal como a promessa que algum dia também faremos uma actividade idêntica.
A todos vocês (e eventualmente a algum que me possa esquecer - mil perdões!) devo o prazer de sentir-me útil, de sentir que a língua de Camões é verdadeiramente de poetas e que, apesar de não haverem nascido "lusos", apreciam e sentem a cultura em português património vosso. Posso garantir-vos que é também vosso o "ilustre peito Lusitano" e que o espírito de "Abril" não é delimitado por fronteiras.
O vosso amigo,
Luis Leal







The Artist's Rest (Dedicado a la pareja más guay de Extremadura y alrededores)

A Charo y Pablo, mis compis.

sexta-feira, junho 21, 2013

O Hortelão cuida da Aorta.

O hortelão cuida da horta
como a aorta cuida do nosso corpo.
Oxigenando…
Também eu tive um hortelão que cuidou de mim
Na sua horta.
Hoje vive na minha aorta,
Oxigenando…
O meu sangue ve(ne)noso.  

Somos siete años (dedicado J.A.S)

La distancia cortará el abrazo físico y el "que no se te olvide que te amo".
Seremos presente pasado en tierras de Valencia de Alcántara mirando siempre hacia Portugal (con el centralismo intelectual madrileño que sueña con la mar).
El Alentejo y Extremadura son un mismo paisaje. Son tú y yo. Serán Diego y Santi.
Fue Celan y Afonso.
Somos nosotros.

Esta es nuestra navaja.
Usada.
Digna de nuestros padres, de todos los romos lápices que afiló y de todos los trozos de pan humilde que repartió debajo de una encina que ya no sabía su edad.
Esta navaja, afilada por el tiempo, gastada por el gesto, es nuestra tercera mano.
Hermano.
Como debe de ser. Sonriendo y llorando en una lámina brillante de óxido.
Una navaja no juzga. Acompaña.

Esta no es mi lengua mater. Será la lengua hermana, más fuerte que la sangre que, como bien sabes, solo contiene plasma y adn nada cómplice del alma.
Me atrevo a sentir en esta lengua. La quiero como quiero a muchos que la hablan dentro de mí.

Nosotros tenemos siete años.
Tenemos los pisos de Maneli,
Tenemos los asientos cantantes, ochenteros, folladores vividores…
Tenemos puertas abiertas y cerradas al mismo tiempo.
Pero tenemos burro, viola y perro. Y la danza de los pájaros coreografiada por Vanilla Ice.
Tenemos la cura para todos los viernes en que nos enamoramos.

Esta es nuestra navaja hermano. Yo nací con una.
Me la puso mi abuelo en la cuna.
Me define.
Esta te acompañará cuando no me puedas decir que me amas y,
como nuestras tardes al sol del Jiniebro,
no te pesará en el equipaje.
Nada está más cerca que en el bolsillo.
Eso del corazón son tópicos cardiólogos desfasados de realidad pragmática.
A mí,
Hermano,
Siempre me tendrás en el bolsillo.

segunda-feira, junho 10, 2013

Phoebe´s Brownie Reflex


Um nenúfar da família "Nymphaeaceae"


POEMA SEXAGÉSIMO SEXTO (excerto) - Joaquim Pessoa

JOAQUIM PESSOA, in GUARDAR O FOGO (Edições Esgotadas, 2013)

POEMA SEXAGÉSIMO SEXTO (excerto)

O amor é um poema. Dói e canta cá dentro. Tem a filosofia
das árvores, a lição do mar, os ensinamentos que as aves re-
colhem quando migram para lá dos desertos, de onde hão-
-de regressar mais sábias e seguras. 
O amor é uma causa. Uma luta excessiva com a divindade
dos dias e a sua fogueira obscura. Mas também contra o mis-
tério de si mesmo, uma paz que nos dá o cansaço e a loucu-
ra infeliz da felicidade, esse primitivo terror dos sinos que to-
cam como um aviso aos densos nevoeiros súbitos do mar.
O amor é uma casa. Erguida com os beijos, com os versos
da noite e o gemido das estrelas. Casa cujas paredes vestem
o nosso júbilo, a nossa intuição, a nossa vontade, sobretudo
o nosso instinto e a nossa sabedoria. Onde se acende e bri-
lha a luz suplicante da pele comprometida dos amantes.
O amor é um gigantesco pequeno mistério, uma estranha ge-
nerosidade que faz com que, quanto mais damos, com mais
ficamos para dar.
Só o amor é o elixir da juventude. Não esse que sempre se
procurou nas indecifráveis fórmulas dos antigos livros de ma-
gia e de alquimia, mas aquele que está tão perto de nós que,
por vezes o pisamos sem reparar.

Não tiveram nem paradas militares, nem Presidentes da República, nem entrega de comendas, mas foi assim que se celebrou o “Dia de Portugal, Camões e das Comunidades” em Valencia de Alcántara!

Não tiveram nem paradas militares, nem Presidentes da República, nem entrega de comendas, mas foi assim que se celebrou o “Dia de Portugal, Camões e das Comunidades” em Valencia de Alcántara! A “comenda” nesta terra raiana foi a estima e o apreço pela língua e cultura de Camões por parte de uma povoação que conta com séculos de diplomacia local comum - algo ímpar na história europeia e digno de salientar-, já que Marvão e Valencia de Alcántara assinaram, há 700 anos, o primeiro documento de “relações transfronteiriças” entre as duas localidades, bem alheios ao centralismo lisboeta ou madrileno.
Tratou-se de um evento dinamizado pelo IES Loustau-Valverde e pela autarquia da mesma localidade, que contou com a presença do Sr. Director do IES Loustau-Valverde, Francisco Avis, o Sr. Alcaide de Valencia de Alcántara, Pablo Carilho, o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Marvão, Victor Frutuoso e o Prof. Luís Leal do Departamento de Português do IES Loustau-Valverde e membro da APPEX.
Apesar da presença institucional, o grande destaque foi para os alunos da disciplina de português do referido centro educativo, principalmente os intervenientes directos no projecto educativo REALCE, e para a apresentação pública à comunidade de Valencia de Alcántara da revista “Cortiza” (uma homenagem que justamente esta escola secundária faz à cultura e língua portuguesa através do nome claramente inspirado no vocábulo português “cortiça”).
O mesmo evento também contou com a participação do canta-autor Jorge Carnerero que brindou a assistência com um original seu (dedicado aos tempos do contrabando) e uma emocionada versão de “Grândola Vila-Morena” de José Afonso.
A comissão organizadora deste evento recorreu, novamente, a este material de árvore, a cortiça, tão enraizado (e nunca melhor dito) na região estremenha e alentejana, como elemento fraterno entre Espanha e Portugal, especialmente agora que partilham estes duros tempos, esperando, desta forma, que sirva para entrelaçar os ramos de “alcornoques” e sobreiros e assim dar sombra aos filhos destas terras, e aos filhos dos filhos que, ao mesmo tempo, amando a sua diversidade, os protejam a todos.





domingo, junho 09, 2013

Ant's Socialism (The strongest animal in the world)

Working in progress. Ant's Socialism. A good example, beneath our feet.

Running Dog ("Run Dog, Run!")

"Running Dog" (Saturday Afternoon)

La Poesía en Paul Celan. Una Experiencia de la Distancia - José Antonio Santiago


Si el hombre pudiera llevar

Si el hombre pudiera llevar
Trozos del pasado dentro
De los bolsillos,
Como un pañuelo de “patchwork”
(Snob, para no decir retajos)
Cosido,
Con el hilo del azar, o del cajón
Polvoriento, del desván poco familiar.

Si el hombre pudiera llamar
A la puerta del destino.
Si pudiera saludar la verdad
(Vecina, puta, que no paga la comunidad y usa la piscina)
En un piso sin ilusión de tener calefacción.

Si pudiera,
No se olvidaría de las gafas de ver cerca
(Pendientes de una nariz curiosa, quizás cotilla).
No se llevaría la gloria,
Ni la ambición o vana victoria…

Si el hombre pudiera elegir…
No se llevaría al ataúd
La frialdad corpórea, pero sí
La real libertad
(Singularmente gregaria)
En sincera amistad.


6/VI/2013

"Corona", de Paul Celan

Dedicado a meu irmão, amigo,

Amigo, irmão,

Hermano, José, que me deu este universo de Celan... Apenas queria agradecer-te...


"O outono come da minha mão a sua folha: somos amigos.
Tiramos às nozes a casca do tempo e ensinamo-lo a andar:
o tempo regressa de novo à casca.

No espelho é domingo,
no sonho dorme-se,
a boca fala verdade.

O meu olhar desce até ao sexo dos amantes:
olhamo-nos,
dizemos algo de escuro,
amamo-nos como papoila e memória,
dormimos como vinho nas conchas,
ou o mar no brilho-sangue da lua.

Ficamos abraçados à janela, olham para nós da rua:
é tempo que se saiba!
É tempo que a pedra se decida a florir,
que ao desassossego palpite um coração.
É tempo que seja tempo.

É tempo."

da antologia poética "Sete Rosas Mais Tarde", tradução de
João Barrento e Y.K. Centeno

quinta-feira, junho 06, 2013

La mirada perdida en una maceta... y... una hormiga.


¡No hay 3 sin 4! Revista “Cortiza” nº4 (2013)

No podíamos publicar en 2013 solamente lo que se hizo en 2012, por eso se ha presentado también el nº4 de nuestra revista “Cortiza”. Un número más amplio, repleto de artículos interesantes, arte, historia, poesía (cómics, ¡no nos hemos olvidado!) y que es testigo de un curso fértil en actividades educativas y culturales dinamizadas en este centro público (sólo para recordaros: ¡DE TODOS PARA TODOS!).

Batman lee "Cortiza" nº3, 2012 (Presentación a la comunidad educativa del IES Loustau-Valverde)

Después de su edición on-line, nuestra revista “Cortiza” nº3 fue presentada a la comunidad educativa del IES Loustau-Valverde de Valencia de Alcántara. Con una originalísima portada del autor extremeño Fermín Solís (¡Batman es lector nuestro!), su contenido es la contribución de muchos alumnos y compañeros que dan vida a este proyecto y centro educativo. Algunos de ellos ya no son parte de nuestro día a día, sin embargo “Cortiza” es un justo homenaje a su huella por estas tierras rayanas.

terça-feira, junho 04, 2013

"Portugal" de Jorge Sousa Braga

"Portugal
Eu tenho vinte e dois anos e tu às vezes fazes-me sentir como se tivesse
oitocentos
Que culpa tive eu que D. Sebastião fosse combater os infiéis ao norte de
África
só porque não podia combater a doença que lhe atacava os órgãos genitais
e nunca mais voltasse
Quase chego a pensar que é tudo uma mentira
que o Infante D. Henrique foi uma invenção do Walt Disney
e o Nuno Álvares Pereira uma reles imitação do Príncipe Valente
Portugal
Não imaginas o tesão que sinto quando ouço o hino nacional
(que os meus egrégios avós me perdoem)
Ontem estive a jogar póker com o velho do Restelo
Anda na consulta externa do Júlio de Matos
Deram-lhe uns electro-choques e está a recuperar
àparte o facto de agora me tentar convencer que nos espera um futuro de
rosas
Portugal
Um dia fechei-me no Mosteiro dos Jerónimos a ver se contraía a febre do
Império
mas a única coisa que consegui apanhar foi um resfriado
Virei a Torre do Tombo do avesso sem lograr uma pérola que fosse
das rosas que Gil Eanes trouxe do Bojador
Portugal
Vou contar-te uma coisa que nunca contei a ninguém
Sabes
Estou loucamente apaixonado por ti
Pergunto a mim mesmo
Como me pude apaixonar por um velho decrépito e idiota como tu
mas que tem o coração doce ainda mais doce que os pastéis de Tentugal
e o corpo cheio de pontos negros para poder espremer à minha vontade
Portugal estás a ouvir-me?
Eu nasci em mil novecentos e cinquenta e sete Salazar estava no poder nada
de ressentimentos
um dia bebi vinagre nada de ressentimentos
Portugal
Sabes de que cor são os meus olhos?
São castanhos como os da minha mãe
Portugal
gostava de te beijar muito apaixonadamente
na boca"

FIM